domingo, 19 de julho de 2009

Quebrando o resguardo!


AI, QUE VERGONHA DE POSTAR ISSO!!
MAS VAMOS LÁ! AFINAL O BLOG É INFORMAÇÃO! E NÃO SÓ CONVERSA MOLE.
É OBVIO OS MOTIVOS DE POSTAR ESSE ASSUNTO.
Dãããããã

Do lado dela, tudo se acumula: a amamentação, as noites sem dormir, os hormônios enlouquecidos...
Em meio a esse turbilhão, ele aguarda ansioso por uma noite de sexo, enquanto ela, totalmente sintonizada no bebê, não está nem um pouco ligada nisso.
Ele é insensível, o lobo mau dessa história?
De jeito nenhum. 'O marido é que tem de equilibrar essa situação, evitando que a mulher fique obcecada pelo papel de mãe, esquecendo-se do resto', afirma o sexólogo e obstetra Heitor Hentschel, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

A história do webdesigner Ângelo Mello, 33 anos, pai de Thiago, 1 ano, é um bom exemplo: 'Nos três primeiros meses depois do parto, minha mulher vivia de cabelos presos e usando um vestidão amarelo pavoroso', lembra. 'Dizia que era prático para dar de mamar, mas eu via aí um certo afastamento.
Decidi, então, resgatá-la. Insisti tanto durante dias, que ela topou mudar de roupa e jantar num restaurante perto de casa. Foi nossa primeira noite de amor, que aconteceu de forma bem delicada.
Ela me agradeceu no dia seguinte por lembrá-la de que o mundo não era apenas um quarto de bebê e ainda era uma mulher', conta.

'A pressão do marido, quando exercida de forma carinhosa, é benéfica', reforça o obstetra. Segundo ele, muitas dúvidas podem atrapalhar as mães e afastá-las das tentativas de retomada do sexo, como o medo da dor e o estranhamento do próprio corpo.
Conheça as principais questões que surgem nesse período e as sugestões dos especialistas para lidar com a situação.
Quanto tempo é preciso esperar para fazer sexo após o parto? Há obstetras que orientam para um resguardo de 40 dias, enquanto outros liberam a atividade sexual em 20 dias.
'O importante é a mulher voltar a se sentir bem, e o resguardo é um período necessário para isso, um tempo para desaparecerem as alterações fisiológicas da gravidez, como a cicatrização dos pontos da cesárea ou da episiotomia, e o corpo se reorganizar internamente', explica a obstetra Rosana Simões, professora do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo.
O tipo de parto, segundo a médica, influencia a duração desse período. Quanto mais tranqüila e sem intervenções, mais rápida será a recuperação. É comum o sangramento pós-parto durar algumas semanas e nem sempre, com isso, o casal se anima a ter relações.
Se a mulher estiver bem fisicamente, com vontade, nada a impede de iniciar as tentativas, lembrando que sexo não é só penetração. Beijos, carinhos e masturbação também fazem parte. Mas atenção, maridos: sexo não é só uma questão física. Também é psicológica, e nesse quesito a mulher pode demorar mais para estar pronta.

A pressão do marido, quando exercida de forma carinhosa, é benéfica para a mãe retomar seu papel de mulher
Por que os homens ficam mais animados do que as mulheres para retornar à atividade sexual? Uma das explicações é o fator hormonal. Após o parto, a mulher tem uma queda de testosterona, o hormônio responsável pela libido.
'Também entra em ação a prolactina, produzida pela hipófise, responsável pela produção do leite. Ela também inibe o funcionamento dos ovários, que não produzem hormônios que estimulariam o desejo feminino', explica a obstetra Rosana.
Os hormônios, porém, não justificam tudo. Outros fatores pesam. A mulher geralmente está sobrecarregada com o bebê. Por mais que o marido seja participativo e companheiro, é ela quem fica disponível para a amamentação e para a maioria dos cuidados. No fim do dia está feliz, mas exausta física e emocionalmente.
'O bebê supre a necessidade de afeto da mulher. E não discute nem questiona', brinca o sexólogo Theo Lerner, do Instituto Paulista de Sexualidade. 'Forma-se um triângulo amoroso e a reação masculina costuma ser a de ciúme.
Voltar a ter relações é uma forma de se manter seguro', diz. Somando os fatores, a situação se complica. Ela tem razão para não querer, e ele para querer. Segundo Theo, a única saída é cada um compreender e respeitar a razão do outro, e juntos chegarem a um acordo.
'O objetivo tem de ser o de abrir espaço no dia-a-dia para o relacionamento. Por mais que o bebê exija, tem de haver um tempo para namorar. Mesmo que seja para ficar apenas de mãos dadas', alerta Theo.

As mulheres sentem dor nas primeiras relações? Podem sentir, sim. Enquanto a mulher amamenta, seus ovários não produzem os hormônios necessários para a lubrificação vaginal. Lubrificantes podem ajudar nas primeiras relações.
Ou então, caprichar bastante nas preliminares. 'A mulher não deve cobrar-se, caso não atinja o orgasmo no início. A volta da intimidade é o mais importante. Com o tempo, ela voltará a sentir prazer', afirma o sexólogo Heitor.

Alguns homens dizem que a mulher, depois do parto normal, muda internamente. É verdade? No parto normal, a passagem do bebê e algumas intervenções podem mesmo alterar o canal vaginal.
'A tendência do organismo é retornar ao que era antes. Também existem exercícios específicos para ajudar na volta da musculatura', diz Heitor. Mas, segundo ele, trata-se, muitas vezes, de uma mudança bastante sutil e que não afeta em nada o prazer do casal.
'Se um homem se incomoda a ponto de discutir essa questão, é porque existem fatores mais sérios atrapalhando o relacionamento', avalia.
Quais as melhores posições para as primeiras relações sexuais depois do parto?
A melhor é aquela em que o casal se sente bem, sem dores físicas ou constrangimentos psicológicos. Nem sempre a tradicional posição papai-e-mamãe é a mais indicada, porque nela o pênis chega mais fundo no canal vaginal, o que pode ser desconfortável.
Quando a mulher fica por cima, pode controlar melhor a penetração de acordo com o que está sentindo.
Durante uma relação, o leite pode jorrar dos seios da mulher. Como lidar com isso? Vai depender do casal, do relacionamento construído antes da gravidez, de como marido e mulher estão enfrentando a chegada do bebê.
Alguns casais podem ver esse acontecimento como algo que atrapalha, muitas vezes até achar nojento. Outros consideram normal e prazeroso. Não há problema, mas o homem deve evitar o contato da boca com o seio, principalmente se houver fissuras por conta da amamentação. É que sua saliva pode conter bactérias que levam a infecções.
Os homens estranham o corpo feminino depois do parto? Geralmente, isso fica mais por conta da imaginação feminina, sempre muito exigente consigo mesma. Na maioria das vezes, eles não se importam com o tempo que o corpo leva para voltar ao normal. Mas isso também não significa negligenciar a aparência.
'Importa mais a ação de se cuidar do que o resultado, pois significa que a mulher se valoriza e isso é muito bom para a família', diz o sexólogo Theo.
É correto ter relações com o bebê dormindo no mesmo quarto?
Não existe o certo e o errado. Apenas a lembrança de que o casal precisa de privacidade e o ato sexual merece a atenção dos dois.
'O bebê no quarto desvia a atenção e o que era para ser um ato de amor pode se tornar algo mecânico, apenas para marcar ponto', alerta Theo. Uma babá eletrônica é discreta e pode resolver a questão.
FONTE: REVISTA CRESCER

17 Comentários:

Greice disse...

Deve ser um momento delicado, principalmente para mulher. Mas acho que conversa e muitooo amor entre o casal fazem diferença.

Beijo

Mamãe Gi disse...

Bem legal esse texto e diz tudo sem deixar duvidas em relação a isso!
E coitadinha das visitas que estão apavoradas em sairem no blog...kkk. Agora vai chover visitas, depois que vc escreveu que podem ir te visitar...kkkk!
Beijos

Beatriz Alquezar disse...

Obrigada Dani por estar sempre trazendo informações... adoro seu blog...

Bjos...

Jêh! disse...

Hehehe...
Faz parte né?
Mas como o texto mesmo diz , o nosso mundo não pode ser só o quartinho do bebê!
Bem legal a informação!
Bjussss

Milka disse...

dani
gostaria de saber sua opiniao sobre a volta ao trabalho. Sei que ta muito cedo pra vc pensar nisso, mas estou tão em duvida....minha filha já esta com 2 meses e eu nao sei o q fazer...meu marido me dá condiçoes de ficar em casa com ela, mas fico pensando na minha vida, minha carreira...e vc??? o q acha? babá, creche, ou mae???kkkk

Lizy disse...

Eu já aguardo ansiosa o fim do resguardo e nem entrei nele, hahah, namorar agora no finalzinho é um terror, sem posição e incomoda que só...
Vamos ver se a vontade continua depois de ficar horas sem dormir hahaha
bjsss

Pâmella disse...

É mesmo verdade que esquecemos do mundo ao redor nos 3 primeiros meses... e sabe o que é pior?? Depois dos 3 primeiros meses parece que cai a ficha de uma vez!! E vc se pergunta? Meu Deussss estou parecendo um trapo humano com esse pijama o dia todo, descabelada, unha pra fazer, etc..etc... E cade tempo pra tudo isso?? Olha, só sei que são muitasss as fases que temos de passar... rsrs...

Bjos

Catarina Lemos Aguiar disse...

Dani, eu adorei seu post e até pedi pra o meu marido ler. Até porque em breve vamos passar por essas situações. Espero poder da conta de tudo, mas sempre em primeiro lugar minha filha, meu marido vai ter que me ajudar a ser uma boa esposa e uma boa eu mesma. Quero ser uma boa mãe, mas, não quero esquecer que tenho a mim e ao meu marido!!! Bem, vamos esperar pra ver no que vai da né? haha

=** pra você, o Emanuel e o maridão.

Manu disse...

Pior é que é verdade!!! Adorei o texto, realmente se o marido não tem delicadeza na hora de conduzir e tal não tem jeito não!!!

Beijos e FELIZ DIA DO AMIGO!!!

Michelle disse...

Ainda não tenho filhos, por isso ainda não passei por esta experiencia,mas eu amei esta matéria,
parabéns pelo post.
Muito bom mesmo, tentei colocar um selinho pra vc, mas sou nova blogueira e não consegui, não sei como faz!
Abraço!

Michelle disse...

Acho que agora eu consigo, vou tentar, te mandar um selinho!
Abraço!

http://2.bp.blogspot.com/_RsQdNDK7AdE/Sh7fAUnoQVI/AAAAAAAABEU/lKSuVxrlbDE/s320/tri_legal.png

Liza disse...

Muito legal a materia. Acho q toda mulher se sente insegura com respeito a isso.
agora...adorei o motivo obvio do post kkkk.

Boa semana p vcs.

""Dani.Danilo. Nicholas e Maria Eduarda:) disse...

Hiii Xará sei como é isso.
Mas no meu caso eu sou medrosa pra caramba...
marido tem que ter paciência comigo.
beijocas amiga, tô na área de novo

Faça ou Desfaça disse...

Ótimo assunto esse e nada de vergonha. relação sexul é ótimo e ter essas declarações que vc colocou, vem superar angústias sobre isso e um olhar diferenciada na questão pós parto.
Coloque essas questões que vc ache "desconsertantes" no período de filhos pequenos, com a sua vivência e verá quantas passam pelos mesmos problemas. Tomara no meu tempo tivesse blog´s assim e computadores pra podermos superar tantas coisas que nos eram tabus..Bobos tabus.
Beijocas carinhosas ,saúde pra todos vcs e muito sucesso
Dê uma passadinha no meu blog prum chazinho entre amigas

Manú de Souza disse...

Amei o seu blog e me inspirei nele pra fazer o meu! rsrsrs
Gostei tanto dos posts que li vários, nem vi o tempo passar. Parabéns!

ana carolina disse...

Primeiramente, parabéns pelo blog. Estava gravida com quase 4 meses de gestação e tive um aborto espontâneo. Nao tive pontos. Jah fui ao médico e agr estou de resguardo. Quanto tempo eu tenho q ficar sem ter relação sexual? Minha ginecologista me disse 20 dias porém, o médico q me atendeu naquele momento disse 40 dias. obgd

angellus disse...

Texto muito bom ,mas estou com umas duvidas ,antes e durante a gravides eu e minha esposa mantinhamos relaçoes normais ,mas agora depois do resguardo esta impossivel fazer a penetraçao ela esta com vontade e eu tb mas ela sente muita dor o que antes n acontecia ,e ja faz umas 3 semanas que esta assim ela teve parto normal e fizeram um corte para o bebe nascer sera que pode ter acontecido algum erro medico ?

Related Posts with Thumbnails

Meu Orkut

Este blog possui atualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo

Receba atualizações no seu e-mail!

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO  

BlogBlogs.Com.Br